Cura dos Medos

O medo é uma energia de contenção com funções a cumprir em toda a nossa estrutura energética. É uma energia que nos afasta do prejudicial, que nos impede de avançar para situações que nos colocarão em risco. Faz parte do nosso sistema de bússola energética, que nos permite orientar num mundo tridimensional como aquele que agora estamos a perspetivar. Os medos estão inscritos e implantados em todos nós, ora fazendo parte da nossa “bússola tridimensional” ora servindo como mecanismos de controlo.
É adequado que nós enquanto espécie partilhemos o medo de alturas, pois cair do alto mata; é adequado ter medo de animais venenosos, porque o veneno mata; é adequado ter medo de animais ferozes, porque dentes e garras matam. Quando sentimos esses medos, ou fugimos daquilo que os despoletou ou vamos enfrentá-lo com cautela, ambas soluções

inteligentes e que vão de encontro à nossa sobrevivência.Em termos individuais também é normal e justificável ter medo. Uma pessoa que sempre se encontrou em situações “amorosas” abusivas, defende-se tendo medo de uma nova relação. Uma pessoa que já falhou várias vezes, defende-se tendo medo de novas empreitadas. Para aquela pessoa uma dada “bússola” foi criada com base na sua experiência.Vidas passadas também são fonte de medo. Se em dada encarnação sofremos de forma intensa ou vimos a nossa vida severamente afetada por dada realidade, é natural que medos surjam dessa mesma realidade em vidas posteriores... Se numa vida nos moldamos à escuridão por motivos de abuso de poder que nos foi dado nesse momento, é natural que nos afastemos ou receemos estar numa situação de poder nesta vida. Se o nosso papel de pai foi traumatizante numa vida passada, ou porque um filho foi perdido de uma forma peculiarmente cruel e brutal ou porque existiram conflitos extremos entre as duas partes, é natural que nesta vida receemos ser pais.Tenho usado até agora a palavra “medo” para descrever aspetos positivos e ao nosso serviço, contudo deveríamos reservar a palavra “medo” para nos referirmos a essa energia de contenção vista na negatividade e na sombra. Assim o verdadeiro medo é aquela energia de contenção que deixa de cumprir a sua função principal de orientação e toma conta de toda a vida de uma pessoa. É uma energia de contenção que deixa de estar ao serviço da expansão do indivíduo, prendendo-nos num pequeno mundo separado do todo. É como se a nossa bússola, tanto a que nos orienta como espécie como a que nos orienta como indivíduos, tivesse sido submetida a fortes campos magnéticos (as nossas experiências traumatizantes) tornando-a inútil no cumprimento da função, obrigando o nosso caminho a ser sempre circular.Durante a terapia multidimensional, a equipa do terapeuta irá fazer um resgate de todos os bloqueios que já não servem à evolução do paciente. Medos que de momento se encontrem desadequados podem desaparecer ou então serão encarados sob o seu aspeto de luz, contribuindo para a nossa evolução espiritual e felicidade. Podemos de um momento para o outro ser capazes de, apesar de ainda recear falhar, avançarmos com uma empreitada, desta vez mais atentos e cautelosos; podemos ter medo de aceitar um lugar de poder, mas desta vez avançamos, com muita consciência da responsabilidade que nos foi outorgada; podemos decidir ser pais, apesar de receosos, mas desta vez mais consciente das consequências da paternidade e exigência de entrega ao fluir; podemos nos entregar a uma nova relação amorosa, se bem que ainda com uma certa apreensão, mas desta vez atentos a sinais de abusos e ao modo como respondemos perante eles. O medo passou a estar ao nosso serviço e foi integrado em nós para a nossa expansão.